);

A Preparação Mental Como Treino Coadjuvante Para O Ganho De Força

(Last Updated On: 07/16/2018)

Preparação Mental

A PREPARAÇÃO MENTAL COMO TREINO COADJUVANTE PARA O GANHO DE FORÇA EM PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO

Trabalho de Conclusão de Curso: Coach David

 

SUMÁRIO

[feature_box style=”29″ only_advanced=”There%20are%20no%20title%20options%20for%20the%20choosen%20style” alignment=”center”]

1 Introdução

2 A Psicologia Dos Esporte Aplicada Ao Treinamento De Força

2.1 O Treinamento De Força

2.2 A Psicologia Do Esporte

2.2.1 Conceitos E Fundamentação

2.3 Os Princípios Da Psicologia Do Esporte No Treinamento De Força

Referências

[/feature_box]

 

INTRODUÇÃO

O presente estudo foi desenvolvido com o intuito de que se identifique a relevância da preparação mental como treino coadjuvante para o ganho de força em praticantes de musculação, tendo em vista que se trata de uma atividade física de alto impacto, é que indefere dos motivos pelas quais é praticada, seja como um mero exercício contra o sedentarismo ou com fins de emagrecimento, enquadrando-se a outros contextos de saúde, e ainda, como busca pela estética perfeita, ou até mesmo, como esporte competitivo.

Originária desde os tempos primórdios, frente à necessidade dos homens em se fortalecerem para as caçadas e batalhas pela sustentação da própria vida, o treinamento de força ganhou sua maior importância na Grécia, preservando-se como um potencial exercício físico sendo praticado ao redor do mundo até os dias atuais, uma vez que se configura como uma atividade completa, pois beneficia inclusive o âmbito psicossocial de quem a pratica, além de ser fator de inclusão social pertinente a todas as idades.

O contínuo crescimento da prática da musculação, também denominada por fitness, representa dentre as atividades físicas praticadas nos dias atuais como sendo a mais procurada, dados os fatores elencados no parágrafo anterior, fundamentando-se principalmente na exigência orgânico biológica da ativação de todas as capacidades físicas humanas em todas as suas nuances, considerando-se seus exercícios de alto impacto que ocorrem com velocidade conduzida em séries de curta duração visando à promoção do desenvolvimento muscular, bem como, a coordenação motora, o raciocínio e a memória, favorecendo não apenas a modelagem estética, mas a saúde física, fisiológica e mental, de forma integral.

A musculação é uma atividade física que tem como princípio básico, forçar a capacidade de resistência muscular e fibrosa do corpo, trabalhando-se assim, todos os sistemas orgânicos: cardiovasculares, neuromusculares, cardiopulmonares, linfático, entre outros, e para tanto, exige do seu praticante, além do devido treino planejado por uma especialista qualificado e capacitado com conhecimentos técnicos, teóricos e práticos, o uso de hábitos regrados, entre os quais, tem-se em destaque a preparação mental.

No que diz respeito à preparação mental, a Psicologia do Esporte corrobora neste sentido, procurando através da participação de especialistas em atividades de diagnóstico, análise e pesquisas dos aspectos psicológicos de atletas em todas as modalidades, visando se estabelecer relações entre os mesmos com as possíveis variáveis que interferem no desempenho atlético e por consequência, de equipes, a qual também pode ser aplicada aos praticantes ditos “não atletas”.

Entretanto, apesar do reconhecimento da importância da Psicologia no cenário esportivo como um todo, é notório que não se faz eficaz no Brasil, haja vista que a mesma ainda não é totalmente percebida como elemento coadjuvante na preparação mental quando da prática rotineira de atividades físicas, não estando, portanto, devidamente contextualizada e adequada às práticas esportivas, o que contrariamente em países diversos, sua efetivação é tão comum quanto à do técnico, assistente técnico, preparador físico e médico.

Há ainda que se considerar, segundo as literaturas que fundamentam a condução teórica deste estudo, que a intervenção psicológica, não deve ser vista como parte integrante de um programa de periodização do treinamento, e sim em etapas específicas que se objetivem a preparar a parte mental do atleta, no intuito de se desenvolver e aperfeiçoar os vários aspectos psicológicos.

Neste sentido, a psicologia do esporte propõe-se entre outros, ao gerenciamento do stress, ao estabelecimento dos objetivos e metas, a promoção da autoestima e autoconfiança, além do aumento da atenção e concentração, ao controle da ativação e relaxamento, a elevação motivacional e subsequente níveis adequados ao estado de humor que condizem à tensão, vigor, fadiga, raiva e depressão.

Assim, trabalha a autoimagem como um todo, com estratégias especificas ao comportamento cotidiano e de competitividade, dadas principalmente pelo poder da mentalização, a qual é aprendida e praticada através de técnicas especificas. Complementado o acima descrito, o estresse do dia a dia configurado de forma extremamente ritmada no cotidiano humano, quase que como uma regra, tem capacidade de influenciar negativamente qualquer praticante de uma atividade física mais intensa, promovendo a diminuição do volume de treino, tendo como consequência a perda da força muscular, o que vai de encontro contrário à proposta da musculação.

Mediante tal realidade, é fato verificado pelos profissionais da Educação Física que trabalham nas academias espalhadas pelo mundo afora, ante ao estresse diário gerado pelo trabalho excessivo e inúmeros compromissos rotineiros, os praticantes de musculação já chegam esgotados na academia, demonstrando um cansaço prévio, que conduz ao não rendimento nos treinos.

Diante desta evidência, este estudo busca reunir informações com o propósito de responder ao seguinte problema de pesquisa: Como a preparação mental é conduzida via treino coadjuvante, visando auxiliar na redução do estresse físico e mental para a obtenção do ganho de força nos praticantes de musculação?

Assim, a intenção de realizar este trabalho, justifica-se em demonstrar como a aplicação da preparação psicológica pode contribuir para redução do estresse, proporcionando o aumento da força máxima e das habilidades atléticas dos indivíduos, de acordo com um maior volume de treino e concentração mental, assistindo os profissionais da Educação Física no planejamento dos treinamentos de força de forma mais qualitativa.

Para que se atendesse o problema proposto, como mencionado em sua justificativa, objetivou-se investigar de que forma a aplicação do treinamento mental auxilia na redução do estresse físico e mental com a finalidade de ganho de força e a melhora de performance, e para tanto, especificou-se em:

a) Conceituar o treinamento de força e a psicologia desportiva à ela aplicável;

b) Apresentar o treino cognitivo com ênfase na mentalização, e seus benefícios, explicando-se os métodos específicos usados como estratégia de potencialização para redução do estresse prévia ao treinamento de força; e, finalizando-se,

c) Demonstrar a eficácia da psicologia desportiva aplicada ao treinamento da força, através de resultados dos indivíduos que se utilizam da preparação mental nesta atividade física com aqueles que não fazem uso deste importante recurso cognitivo em estudos comparativos, de forma a que se comprove sua eficácia na melhoria do desempenho de atletas e praticantes da musculação.

Elabora-se sob a plataforma de pesquisa científica caracterizada como bibliográfico descritiva, de natureza qualitativa, que segundo as orientações de Barros; Lehfeld (2008) considera as informações científicas advindas de terceiros, publicadas em fontes confiáveis e reconhecidas, por escritores, especialistas e interessados no assunto tema, sem que haja interferência do pesquisado.

A partir da elaboração dos descritores: Desenvolvimento Cognitivo em Atletas; Musculação; Preparação Mental em Exercícios Resistidos de Alto Impacto e Psicologia Desportiva, se fez possível o acesso a uma gama de literaturas, retiradas da base de dados da SciELO, Google Acadêmico, Revistas Especializadas, entre outros, propiciando a devida leitura, análise e separação de acordo com as especificidades pontuadas, sendo estas devidamente classificadas e sumarizadas, de maneira tal que oferecessem ao autor, material suficiente para a elaboração descritiva do estudo estruturado em seu referencial teórico em 3 (três) capítulos distintos que atendem ao objetivo proposto.

As literaturas configuram-se nos idiomas Português e Inglês, sendo que quando necessário, utilizaram-se recursos como dicionários e tradutores que pudessem ofertar o devido entendimento, sendo estas apresentadas entre os anos de 1984 até 2017.

Desta forma, ressalta-se a relevância desta investigação em seu tema abordado não apenas para aprimorar os conhecimentos do próprio autor, como também dos profissionais da Educação Física em todos os seus segmentos, tendo em vista que o estado psicológico de um indivíduo é fator coadjuvante também no seu desempenho físico, e necessita, portanto, de estudos contínuos nesta direção, podendo este servir de fonte de pesquisa para estudos futuros.

Capitulo 2: A Psicologia Do Esporte Aplicável Ao Treinamento De Força

Leia: Como ter Motivação Pra Treinar

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Curtir, compartilhar e recomendar: